| Add to Google | Favoritos | Newsletter | Enviar a um amigo | RSS
Canais
Links
Links Google


 
Artigos - Eficiência energética em edifícios no sector Doméstico

Eficiência energética em edifícios no sector Doméstico

No sector residencial doméstico, o aumento do conforto e da taxa de posse de equipamentos consumidores de energia, situou o crescimento médio anual dos consumos energéticos em edifícios de habitação em 3,7% (dados do início da década 2000). Os 13% em energia final deste sector, representam no entanto 27% dos consumos de electricidade em Portugal, evidenciando a importância desta fonte de energia no sector doméstico.

A análise global da distribuição dos consumos energéticos do sector doméstico em termos de energia final revela, ainda, o seguinte:

- 50% são consumos na confecção de alimentos e nos aquecimentos das águas sanitárias (AQS).
- 25% em iluminação e electrodomésticos.
- 25% aquecimento e arrefecimento.

Estes números evidenciam o peso significativo dos consumos no aquecimento das AQS, assim como os consumos com base em energia eléctrica, traduzindo a necessidade de actuar nestas duas vertentes com medidas de URE. O vector da climatização representa apenas 25%, mas com uma taxa de crescimento elevada, devido a maior exigência no conforto térmico. O aquecimento e arrefecimento representam uma terceira vertente de intervenção, a qual deverá ser acautelada através do RCCTE.

Sector Serviços

Na última década o sector dos edifícios de serviços foi um dos que mais cresceu em consumos energéticos, cerca de 7,1%. Este sector é um dos principais responsáveis pelo acentuado crescimento do consumo em energia eléctrica, que entre os anos 1980 e 1999 aumentou de 19% para 31%.

Existe uma grande heterogeneidade no sector dos serviços, que vai desde pequena loja até um grande hotel ou grande superfície, assim como, dentro da mesma categoria, existem unidades eficientes e outras grandes consumidoras de energia.

Tendo em conta esta diferenciação, é necessário separar o sector em tipos de edifícios, dos quais os mais significativos (em termos de consumes específicos), são os restaurantes, hotéis, hipermercados, supermercados, piscinas, hospitais e escritórios.

Neste sector o tipo de edifício que apresenta um maior consumo especifico em energia é do “restaurante”, com valores perto dos 800 kWh/m2 (fonte DGE 2002). Piscinas e Hipermercados, seguem-se na lista com perto de 460 kWh/m2 e 320 kWh/m2 respectivamente.
 
No dia 04 de Abril foram publicados em Diário da República (DR 67 - Série I - A) três diplomas que transpõem parcialmente para a ordem jurídica nacional a Directiva n.º 2002/91/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de Dezembro, relativa ao desempenho energético dos edifícios.

Estes diplomas contemplam importantes alterações legislativas e dos hábitos de projecto no sector dos edifícios, tais como: aprovação da criação do Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (D.L. n.º 78/2006), que se responsabiliza pela aplicação dos regulamentos térmicos para edifícios - o Regulamento dos Sistemas Energéticos de Climatização dos Edifícios (RSECE) (D.L. n.º 79/2006) e o Regulamento das Características do Comportamento Térmico de Edifícios (RCCTE) (D.L. n.º 80/2006), que sofreram actualizações e uma nova redacção.

De referir que estes regulamentos se encontram em revisão, sendo esperado para 2012 uma nova versão dos mesmos.

Regulamentos
Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior (SCE)»
Regulamento das Características de Comportamento Térmico dos Edifícios (RCCTE)»
Regulamento dos Sistemas Energéticos de Climatização em Edifícios (RSECE)»

Soluções e conselhos
Concelhos energéticos em casa»
Estratégias Bioclimáticas e Sistemas Passivos»





Bookmark and Share | Voltar | Topo | Imprimir | Enviar a um amigo
PUB
:: Produzido por EE. Copyright © 2007-20012. Todos os direitos reservados ::
:: :: Editorial :: Sobre o EE ::
Última actualização 11/21/2014